segunda-feira, 15 de novembro de 2010

Ninguém Mexe no Meu Liguste!

O Ligustro é uma árvore perenifólia, que chega a 10 m de altura. Quando criança, eu a chamava de liguste e depois, mais crescido, legustre. Rústica, resistente a podas e intempéries, e de crescimento rápido. Um uso muito comum aqui em nossa região é como cerca viva, quando plantada em fileiras com as mudas próximas, e podada constantemente. Plantei uma destas árvores na calçada em frente de casa, e outras na calçada dos fundos, que dá para uma avenida, mas estas já foram derrubadas.

Fotos de Lages do final do século 19 e do início do século 20 mostram estas árvores (vide atualização abaixo) plantadas fora das calçadas, em torno de um metro dentro das ruas de chão batido, provavelmente para permitir o "estacionamento" das montarias. Aconteceu que cresci vendo estas árvores nas [infelizmente] poucas ruas arborizadas de nossa cidade, a maioria no centro. E de alguns anos para cá tenho observado uma campanha silenciosa de combate ao seu plantio acompanhada de uma gradual derrubada pela secretaria do Meio Ambiente, para substituição por outras espécies, nativas e de crescimento menos agressivo. A maior crítica ao ligustro é que as raízes da árvore adulta acabam destruindo calçadas e muros, o que, além do incômodo, encarece sua manutenção pois exige constantes cuidados e reparações em seu entorno. Outra crítica é que, ao que parece, a maioria das pessoas a considera uma árvore feia e que provoca muita sujeira, pois seus frutos dão em cachos com pequenas bolotinhas roxas que mancham as calçadas na época da maturação.

Apesar destes inconvenientes, a considero uma árvore muito bonita. Onde crescem livremente, como parques ou áreas amplas, elas se impõem pelo porte grandioso e a copa volumosa com sua folhagem perene. Mas reconheço que o meu caso é de amor antigo. Quando pequeno usava seus galhos para construir fundas, arcos e flechas, suas copas como esconderijo, as bolotinhas roxas como munição de zarabatana e as cercas vivas como cavernas. Aprendi a gostar delas.

Pois hoje, nem sete e meia da manhã – madrugada, pois – fui acordado ao som de uma motosserra. Era a vizinha do lado derrubando os dois ligustros da calçada em frente à sua casa. Assisti da janela do meu quarto com o coração apertado, e depois corri para bater a foto do 'meu liguste', ainda adolescente. Vai que alguém da secretaria do Meio Ambiente passa por aqui com uma motosserra debaixo do braço! Melhor não facilitar... Tô de olho!
Fotos: 1. Acervo do MTC
2. Colafina

AtualizaçãoHá uma outra foto no acervo do MTC mostrando a Rua Correia Pinto no inverno com estas árvores todas "peladas", indicando que aquelas árvores plantadas fora da calçada não são ligustros, e sim plátanos. Os ligustros foram plantados somente em meados da década de 40. Outra foto, datada de jul/45, mostra a Nereu Ramos com ligustros em torno de dois metro de altura, ainda com as estacas de proteção.  

5 comentários:

  1. Daqui de DUBLIM testando os comentarios!!!
    Tiuspe

    ResponderExcluir
  2. Interessante pois eu tinha feito um comentario anteriormente....sumiu??? nao entendi nada???
    Tiuspe

    ResponderExcluir
  3. Aproveitando que tudo parece normal...O nome da cidade e' DUBLIN com "N"...na Irlanda.
    foi so um pequeno erro meu!!!!

    ResponderExcluir
  4. Tiúspe!
    É você de Dublin? Legal, é mais uma bandeirinha que ainda não estava espetada no mapa de acessos ao CF&CG!
    E bom que a caixa de comentários está funcionando, obrigado por atender meu pedido.
    Um abração

    ResponderExcluir
  5. Nem sabia que o nome desta árvore era Ligustro!
    Um nome muito feio, por sinal. :)
    Esta da foto eu conheço desde criança...
    Beijo Pai!
    Louise

    ResponderExcluir