quarta-feira, 12 de janeiro de 2011

O Dia Zero

Os gestores observam com interesse a movimentação no Hall do Futuro. Cada um deles tem à sua frente a imagem, em dimensões reais, do magnífico ambiente construído especialmente para guardar uma cápsula cilíndrica de titânio e cristal que paira, graciosamente girando à altura dos olhos dos convidados, a cerca de um metro acima do Pedestal da História, que foi ofertado há 50 anos pela Governadoria Mundial na comemoração de um Quarto de Milênio de existência da hoje tricentenária instituição presente em todos os quadrantes estelares, a Grande Xis. O Hall, uma imensa estrutura circular com paredes altíssimas, brancas e brilhantes, e que em seu centro abriga tão somente o sofisticado pedestal e seu peculiar e levitante artefato, simboliza um futuro que se oferece a que cada um escreva o seu próprio destino. Cotidianamente é visitado por pessoas que buscam um local calmo para reflexão, mas hoje está lotado por convidados, curiosos e colaboradores da Grande Xis e, no entanto, ouve-se apenas um leve rumor de ansiedade. Assim como pelos gestores ausentes, o evento está sendo acompanhado em tempo real por personalidades de todos os mundos do sistema planetário sob a justa e soberana governança do Supremo Conselho Estelar. O interesse se dá menos pela importância da instituição, nascida no longínquo século dezenove numa colônia imperial portuguesa, há décadas transformada numa entidade universal, mas muito mais pelo singular ato de abertura daquele objeto de formas anacrônicas e materiais obsoletos chamado de Cápsula do Tempo, há 150 anos guardado como um dos bens de maior valor da instituição. O dia 12 de janeiro de 2161 é uma data emblemática. Um século e meio de espera por este momento justifica todo o interesse e a curiosidade da comunidade estelar.

Presentes fisicamente apenas a Grande Gestora, uma afável e sorridente senhora de cabelos brancos e gestos suaves, e o Primeiro Urbe Gestor que comanda todas as operações realizadas no terceiro planeta. Os demais gestores os acompanham neste ato de suas respectivas bases planetárias, projetados holograficamente junto a eles circundando o pedestal. A um sinal da Grande Gestora, a energia do pedestal é desativada e a cápsula lentamente pára de girar e desce, como que suspensa por fios invisíveis, até encaixar-se em apoios luminosos sobre o pedestal. É um objeto curioso. Parece maior assim, parada, ao alcance das mãos.

Desde a divulgação pública da sua existência e do audacioso objetivo proposto pela diretoria, a cápsula foi protagonista de inúmeros episódios, que variaram do curioso e pitoresco ao aventureiro e espetacular. Nos primeiros anos a própria instituição encarregou-se de divulgar a singularidade desta iniciativa, única em seu grau de importância, dentro de suas unidades e em campanhas publicitárias. O interesse da grande mídia nunca desapareceu com o passar dos anos, e volta e meia a cápsula estrelava algum programa especial, era tema ou protagonista de filmes de aventura, ou recebia visitas importantes que profetizavam a sua sobrevivência ao tempo e às inconstâncias humanas.

E assim o tempo passou... A cada década decorrida lá estava ela, a solene e impassível Cápsula do Tempo, que emergia de seu mostruário de vidro para as telas e outdoors nas comemorações institucionais e em notas e reportagens na mídia que, invariavelmente, salientavam o tempo que ainda restava de espera para o dia de hoje, o Dia Zero.

A outro sinal da Grande Gestora, a cápsula foi cuidadosamente aberta. O conteúdo, conhecido desde sempre, os originais de contos, poesias, fotos e músicas, todas produzidas por antigos colaboradores da instituição, foi exposto ao público. Aleatoriamente, leu um dos contos e algumas poesias, enquanto as fotos eram projetadas nas altas paredes em toda volta e as músicas executadas ao fundo. E durante algum tempo, somente as imagens e o som embalaram a emoção visível em todos os semblantes. Em seguida, a Grande Gestora tomou a palavra.

– Caros amigos aqui presentes e de toda a Comunidade Estelar que nos assistem, sinto-me honrada por presidir este ato que é um momento histórico de nossa instituição. No dia 12 de janeiro de 2011, ao completarmos 150 anos de existência, a diretoria da então Caixa Econômica Federal resolveu lançar um ousado desafio às futuras gerações de colaboradores, ao dizer-lhes: nós nos encontraremos daqui a 150 anos!

Naquela oportunidade não faltaram aqueles que desdenharam deste desafio. Nunca antes houvera tamanha audácia na projeção de um objetivo com um prazo tão ambicioso. Pois agora eu digo a todos os que não acreditaram na obstinação e na força da nossa empresa – que nada mais é que a soma da força, do amor ao trabalho, da crença naquilo que fazemos e da dedicação incondicional de cada um de nós, que a nossa instituição não apenas sobreviveu ao desafio, mas cresceu e se fortificou a cada ano, a cada década, e hoje estamos aqui como testemunhas dos objetivos alcançados, e do cumprimento do desafio que nos foi proposto há tantos anos. Ajudamos a escrever a história do nosso país como agente das políticas públicas de habitação e saneamento. Em pouco tempo, tornamo-nos referência mundial, exportadores de tecnologias e soluções, e consultores de governos nos quatro cantos do mundo. Dessa forma, ajudamos a escrever também a história de tantos outros países. Expandir a atuação para outras bases planetárias foi apenas conseqüência da nossa competência em criar soluções eficazes para problemas de tamanhos planetários.

Assim é a Grande Xis. Grande, porque somos e pensamos grande. Audaz, porque somos e agimos com audácia. Forte, porque somos fortes e agimos com firmeza. Confiável, porque gostamos e acreditamos no que fazemos. Acolhedora, porque gostamos e acreditamos nas pessoas. Maior e melhor sempre, assim será a Grande Xis nos anos que virão.
Em nome da empresa, e em meu próprio nome, quero agradecer, emocionada, a todos os que fizeram e a todos os que fazem a história desta empresa desde sua fundação, há trezentos anos, até hoje. Agradeço também aos que propuseram a esta instituição desafio tão excitante e motivador. Em respeito à tão sábia iniciativa, nada poderíamos fazer de melhor do que devolver à guarda da Cápsula do Tempo o seu precioso conteúdo, acrescido apenas do registro formal desta solenidade, e devolvê-la ao Pedestal da História que é o seu justo lugar. Por fim, quero antecipadamente agradecer às futuras gerações de colaboradores, dizendo-lhes: nós nos encontraremos daqui a 300 anos!

_____________________________
Texto selecionado no Concurso Gente de Talento 2009/2010, com o tema "O que você espera dos próximos 150 anos?", como parte das comemorações dos 150 anos da Caixa completados hoje. Todos os trabalhos selecionados nas categorias prosa, poesia, fotografia e música compuseram um livro e CD, e foram acondicionados numa cápsula do tempo que será aberta daqui a 150 anos, no dia 12 de janeiro de 2161.

2 comentários:

  1. senti falta das banderinhas....o que aconteceu???
    Tiuspe.

    ResponderExcluir
  2. Puis, Seu Tiúspe!
    Elas saíram na última faxina que fiz no leiáute do CF&CG. Estão guardadas, quem sabe um dia voltam... :)

    ResponderExcluir