segunda-feira, 24 de dezembro de 2007

Viagem no Tempo

O exemplar nº 0 (zero) da revista Superinteressante foi publicado em setembro de 1987 com poucas páginas e apenas 3 matérias, pois era uma apresentação da revista propriamente dita que seria publicada no mês seguinte. Em meados de 1988 eu fiz a assinatura da revista, que mantenho até hoje, apesar de ter à minha disposição uma coleção de CD’s com todas as edições desde o início até junho de 2005, lançados em comemoração aos 18 anos da revista. Do lançamento à assinatura, adquiria os exemplares na banca.

No ano de 2000, com a intenção de organizar e proteger as revistas resolvi acondicioná-las em pastas do tipo Polionda, e neste trabalho descobri que faltavam seis edições na coleção. Em poucos meses, encontrei cinco delas em sebos da cidade. Hoje, dia 21 de dezembro de 2007, após quase sete anos de busca, encontrei a única edição que ainda me faltava, a nrº 3, coincidentemente publicada em dezembro de 1987, há exatos 20 anos! Como acontece todo mês ao receber o exemplar da revista, mas com o sabor especial de ter em mãos uma raridade e a satisfação de tê-la encontrado, devorei a edição em pouco mais de uma hora.
Na seção Grandes Idéias, a matéria ‘O computador’ conta resumidamente em duas páginas a história da máquina que começava a se tornar conhecida do grande público, do usuário leigo, e a entrar em suas casas nas suas versões mais primitivas, e na seção Cartas dos Leitores depoimentos da adida de imprensa do Consulado Geral dos EUA em São Paulo e do ministro da Ciência e Tecnologia elogiavam a iniciativa da Editora Abril e a qualidade da revista.
Mas em uma matéria de tecnologia, ‘O Computador Levanta Vôo’, experimentei a sensação ímpar de comprovar o acerto – e também o desacerto – de algumas afirmativas e previsões. O texto fala de um supercomputador instalado na NASA que simula testes de aviões, o Cray-2, com 8 processadores, clock de 2 GHertz e memória de 256 MB, que esquentava tanto para realizar seus cálculos que a refrigeração era feita com fluido de Fluorcarbono (ou fluourinert), o mesmo utilizado em transplantes de coração, escolhido por ser incolor, inodoro, atóxico, não inflamável e ter alta estabilidade térmica e capacidade de transferência de calor. Este fluido circulava entre os circuitos para captar o calor e depois de resfriado em uma unidade externa retornava ao equipamento, mantendo assim a temperatura em níveis aceitáveis, exatamente como é feita a refrigeração dos motores dos nossos carros. Na época existiam uns trezentos supercomputadores, dos quais apenas 27 Cray-2, concentrados nos Estados Unidos, Canadá, Japão e países da Europa, que não vendiam para ninguém, e quem não tinha, esperava a vez para poder comprar. No Brasil havia pelo menos 6 empresas e instituições de pesquisa interessadas, da Petrobrás ao CTA – Centro Técnico Aeroespacial. O interessante é que este supercomputador, que custou quase 20 milhões de dólares à NASA, era 16 vezes mais lento e tinha 8 vezes menos memória que o micro com o qual escrevo este texto.

Supercomputador Cray-2 e módulo de resfriamento expostos no Computer History Museum, em Mountain View, Califórnia, USA.

Sobre a simulação dos testes de aviões, a matéria cita o projeto do Expresso do Oriente, inspirado num velho sonho americano, o X-30, que voaria a 30 mil quilômetros por hora e que, além de avião comercial, substituiria os ônibus espaciais do tipo Challenger. O Expresso do Oriente foi projetado para transportar 500 passageiros, voar a 17.000 Km/h, ou 14 vezes a velocidade do som (match 14) e ligar Washington a Tóquio em três horas, treze a menos que os jatos atuais, até o ano 2000!

Ilustração: Revista Superinteressante, pág. 30, edição nr. 3, dez 87

A realidade mostrou-se bem menos audaciosa, pois o maior avião comercial voando atualmente, vinte e sete anos após a previsão, é o A380, que transporta mais de 800 passageiros, mas com velocidade muito inferior à match 14 do Expresso! Os dois maiores limitadores da imaginação dos projetistas de aeronaves, além do custo, são o barulho gerado pelos motores e o alto consumo de combustível. O maior exemplo que temos é o fracasso comercial do Concorde, cujo último exemplar em operação encerrou as atividades em outubro de 2003, e hoje é visto apenas em museu. Ele era autorizado a voar acima de match 1 apenas sobre oceanos e grandes áreas desabitadas, como os desertos, por causa do barulho, e consumia 20.000 quilos de querosene por hora de vôo transportando apenas 100 passageiros, contra os 350 passageiros que o Boeing 747 transporta consumindo bem menos combustível.
As grandes realizações do homem nascem com um sonho, e não custa sonhar. Mas custa realizar, e por isso um sonho pode ser adiado por muito, muito tempo, até tornar-se realidade. Quem viver, verá!

2 comentários:

  1. Seja ficcao...mentira...carqueja...nao importa a razao...como e bom voar pelas palavras de um conhecido... dentro do desconhecido do proprio!!!!
    Tiuspe

    ResponderExcluir
  2. Seu Tiúspe,
    Nostalgia é coisa de véio!
    Deus que me livre disso (toc, toc, toc)...

    ResponderExcluir