terça-feira, 4 de dezembro de 2007

6. Aventuras do Coronel

(Esta é uma obra de pseudo-ficção. Qualquer coincidência com personagens abstratos, fatos inventados e lugares imaginados não será mera semelhança!)

O coronel Gumercindo Neto olhou-se no espelho por cima do ombro, depois de frente, de lado, de frente de novo. A Tetê segurava o riso enquanto olhava lá da sala com o canto do olho. Não é que o seu Arrudão estivesse ridículo, imagina, claro que não, mas é que aquele calção vermelho, curto e bem apertado não combinava com o estilo socadinho e meio bruto do coronel. Juntando a camiseta branca, modelo regata uns três números menor que a barriga já saliente, e completando o quadro, meia social curta marrom e tênis Kichute, ficava ridículo uma bar-ba-ri-da-de!
O coronel ainda não tinha falado nada. Fazia quase hora que andava do quarto pra sala, da sala pra cozinha, voltava pro quarto. Parava em frente ao espelho, sério, desconfiado, depois saía, voltava e se olhava no espelho de novo.
— Tá preocupado com alguma coisa, amor?
— Não sei... estou me sentindo esquisito vestido assim. Não estou parecendo ridículo?
— Ca-paz, amor. Este uniforme ficou muito bem em você!
Virou o rosto e fez de conta que fazia alguma coisa, estava difícil ficar séria olhando prá ele.
O coronel se preparava para um campeonato de peteca nas terras do doutorzinho casca grossa, lá pros lados do Capão Alto. Já não tinha mais idade para atividades violentas deste tipo, mas neste caso estava abrindo uma exceção porque outros conhecidos seus também participariam. Eram todos homens calejados como ele pela dura lida das estâncias e fazendas, e mais alguns colafinas da cidade. Como os jogos seriam de duplas, decidiu convidar o arrumadinho de olho azul, com uma condição:
— Chegue amanhã bem cedo aqui na estância – disse ao telefone pro arrumadinho – no máximo às 6:00h.
— Mas o jogo é à tarde, Arrudão, por que tão cedo?
— Porque nós vamos a cavalo, homem!
— Mas são quase trinta quilômetros! Só de ida...
— Por isso mesmo temos que sair cedo. A peteca é um esporte violento, a peleja vai ser dura. E eu não vou me mixar indo de picape, isso qualquer um faz, mas eu não, eu quero chegar em grande estilo montado no rosilho.
Silêncio no outro lado da linha. Em seguida, hesitante:
— Legal... bom, então a gente se encontra lá...
— Mas de jeito nenhum, arrumadinho, vamos chegar os dois a cavalo, na hora do jogo, de uniforme e prontos para a batalha. O Vassourinha até já pintou o nome da nossa dupla com tinta a óleo na camiseta, “Os Brutos”, ficou uma beleza.
— Mas Arrudão, esqueceu o almoço lá na fazenda do doutorzinho? Ele já matou uma vaca pro churrasco...
— Esqueça o almoço. Churrasco tem todo dia. Já preparei um lambisco prá viagem suficiente prá nós dois, e olha, nem precisa me pagar. Ah!, ia me esquecendo, você vai com a Cheirosa, aquela égua tobiana lá do meu primo, ela tá meio velhinha e tropeça um pouco, mas ainda agüenta o tirão. Não se atrase!
E desligou o telefone. Do outro lado da linha, o arrumadinho suspirou fundo.
Chegaram quase quatro da tarde, os dois vestidos com o uniforme, calções vermelhos – bem apertados – e camisetas regata brancas. Já tinham perdido as duas primeiras partidas por W.O. Estavam estropiados. O arrumadinho apeou com esforço, quase teve que ser ajudado. Tirou a camiseta, e parecia que tinha outra camiseta branca por baixo, pois a pele dos braços, do pescoço e das pernas estava encarnada, torrada pelo sol. Cambaleou até o tanque e enfiou a cabeça debaixo da bica d’água, enquanto o coronel foi se justificar com o doutorzinho pelo atraso. Ele parecia mamado, pelo bafo e pelo ronco quando ria. Das cinco partidas do sábado, perderam as duas primeiras por W.O., outras duas tentando jogar, e na última o arrumadinho recusou-se a entrar em quadra. À noite, depois da janta e à custa de aspirina, sal de frutas e muita pomada para assadura, ele contou que desde as seis horas da manhã até a chegada, passaram comendo o lambisco preparado pelo coronel, dois ‘pão’ dormido, um pedaço de queijo e uma volta de lingüiça, e em cada uma das 47 porteiras do caminho tomavam um gole de branquinha, e entre uma porteira e outra iam encontrando peões e alguns casais com ou sem crianças, a pé, a cavalo ou de carro e todas essas pessoas, sem exceção, cumprimentavam e se apresentavam, e o coronel acabava descobrindo que era parente, ou parente de um parente, até afilhado esquecido encontrou, e lá ficava proseando, pedindo pelos conhecidos e mandando abraços e lembranças. Se estivesse embrulhado com arame farpado não enroscava tanto pelo caminho.
No domingo de manhã, depois do coronel ter bebido quase todo o estoque de cerveja do doutorzinho ainda no sábado, e do arrumadinho ter varado a noite sem dormir por conta dos pesadelos com porteiras e todos os parentes do Arrudão, as coisas não melhoraram. Perderam mais duas partidas e foram desclassificados antes das onze, mas em compensação, foram aclamados como “a dupla mais sensual”, e seus uniformes foram eleitos por unanimidade como “os mais atrevidos do campeonato”, com direito à faixa e estridente ovação pela torcida. Depois da premiação e do convite prá desfilar para a torcida, que foi gentilmente recusado com um tabefe nas orelhas do enrugadinho transcendental, o idealizador da premiação, o coronel disse para o arrumadinho:
— O trecho é longo. Vamos embora antes que inventem mais alguma bichice.
— Ih! Arrudão, olha, sei não, acho que não vai dar, tô meio sem condições, acho que vou com o...
— Nem pense nisso, tenho que levar os cavalos, você precisa voltar comigo – bafejou o coronel.
— Mas, escute, ainda tem o almoço, podemos sair à tarde – o arrumadinho ponderou administradoramente.
— Mas você só pensa em comida, abençoado? Fique tranqüilo, peguei umas lingüicinhas que sobraram de ontem e mais umas bananas e pronto, já podemos sair!
O arrumadinho suspirou fundo, levantou-se e caminhou em direção à Cheirosa como um condenado em direção à forca. Encilharam os animais ao som da gritaria da torcida em volta da quadra montada no pasto recém aparado um pouco além da roça de milho, e do vozerio e risadas dos homens discutindo futebol, política e outras bobagens enquanto aperitivavam e bebiam cerveja em volta dos espetos de lombo e costela assando no fogo de chão. O arrumadinho estava inconformado, mas aceitou vir a cavalo com o coronel e não podia deixá-lo na mão. Era uma obrigação voltar como viera. Olhou a sacola plástica de supermercado com as lingüicinhas e as bananas pendurada na sela do rosilho, olhou de novo aquele mundo de espeto ao redor do fogo, os tambores cheios de latas de cerveja cobertas com gelo, suspirou de novo e montou na Cheirosa, e conduziu o animal a passo seguindo o rosilho. Ladearam a churrasqueira, os amigos que bebiam e se divertiam e pediam que ficassem, a quadra com a torcida algazarrenta na partida final, seguindo ainda a passo em direção à porteira e ao Cajuru, distante Cajuru. Até sumirem da vista, o arrumadinho ia olhando para trás, com olhar comprido, daquele que diz ‘eu tô indo, mas queria mesmo era ficar’.
Uma semana depois da aventura, o arrumadinho, já recuperado fisicamente, relatou, com expressão de extrema angústia, a odisséia do retorno. Disse ele que, de novo, em cada uma das 47 porteiras tomaram um gole de branquinha, e encontraram novamente todos aqueles parentes da vinda, e mais alguns que haviam desencontrado, e todos eles cumprimentavam novamente, e passavam a contar o que haviam feito na casa dos parentes que foram visitar e as histórias de família, e a todos eles o coronel contava sobre o desafio da cavalgada, as porteiras, o campeonato, a sapecada do arrumadinho, e mandava lembranças e... nesta altura do relato, o arrumadinho começa a tremer, lacrimejar, pede um calmante e balbucia:
— Foi horrível, horrível... porque estas agruras só acontecem comigo? Ainda tenho pesadelos... nunca mais vou esquecer...
Mas o melhor do relato do arrumadinho aconteceu perto da estância do Arrudão. Já era noite alta, sem lua e sem estrelas, escura como breu, e a Cheirosa começou a ficar inquieta. O coronel conduzia o rosilho prum lado, depois voltava, ia por outro lado, a égua negaceava, bufava, o Arrudão resmungava, o arrumadinho desconfiou que alguma coisa estava errada, até que não se conteve:
— Ô Arrudão, o que é que está havendo? Perdeu o rumo?
— Era só o que me faltava! E eu sou lá homem de perder o rumo? Eu me criei nestes campos, posso cavalgar até de olhos fechados! Estes bichos é que estão esquisitos, devem estar com fome ou sede, ou viram cobra...
O arrumadinho não falou mais nada. O coronel continuou bufando, praguejando, resmungando, e nada de sair do lugar, até que deu a mão à palmatória.
— Olha, eu estou meio tonto pela branquinha...
— Ééé... beber com barriga vazia dá nisso...
— Não é isso! Eu estou dizendo é que você pode até não acreditar, mas acho que me perdi...
— Mas eu acredito, Arrudão, eu acredito.
— Ainda se tivesse uma lanterna... Bom, é o seguinte, vamos voltar até a entrada do sítio do Firmino, de lá eu encontro o...
— Arrudão, vamos soltar os animais, quem sabe eles se localizam? – o arrumadinho sugeriu, impaciente. O coronel riu e ironizou:
— Ah, tá! Eles vão acender os faróis e achar o caminho, é isso? Era só o que me faltava!
Mas a rédea solta e um tapinha no pescoço fez com que a Cheirosa desse meia volta e, seguida de perto pelo rosilho, num passo nervoso, contornasse o capão que o coronel insistia em atravessar. A velha égua cruzou a sanga que cortava o mato ralo, subiu um trecho de campo com vassouras até chegar numa taipa com pedras caídas, mais um trecho no meio de vassouras, e por entre as árvores na beira da trilha surgiram as luzes da estância do coronel!
O coronel tomou a dianteira, e resmungou o resto do caminho. O arrumadinho achou melhor ficar quieto. De vez em quando a Cheirosa bufava e o rosilho virava e balançava a cabeça, dando pequenos relinchos, como que dizendo – ‘eu sei, eu sei...’. Arrudão nunca mais tocou neste assunto, e nunca confirmou a história. Para falar a verdade, também nunca desmentiu...

Nenhum comentário:

Postar um comentário